[1. 1] O QUE FAZ TODA A DIFERENÇA.


                                                                                                                                                                                              21/04/2003.

 

COLOSSENSES. O QUE FAZ TODA DIFERENÇA. 

 

"Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus"...

(Cl 1. 1 - VRC).

 

 

            Acredito realmente que Colossenses é a carta com tom mais agressivo, abrupto de Paulo. Parece que ele respira  fundo antes de ditar cada palavra. É como se estivesse vendo "pessoalmente" seu andamento. Penso que era assim mesmo que ele se sentia, pois sei também, que o amor aproxima (2. 5). A comunidade de Colossos precisava antes de qualquer coisa, entender o básico da vida Cristã. Crendo nisso, Paulo entra de um modo que só uma palavra moderna, pode definir bem: Solando!

 

            Saber que Deus é soberano em sua vontade deve ser prioridade para o crente. Pois é Ela que vai mudar o curso de sua vida. Paulo escreve para algumas pessoas que ignoravam abertamente essa verdade, que eventualmente questionavam até seu apostolado (2. 4). Paulo apoiava seu ministério na vontade soberana de Deus, que pensa e executa minuciosamente o que deseja. Tudo o que dá errado na igreja, que não dura, que não cresce, que não frutifica, pode ter fundamento contrário a vontade de Deus. Ele tem poder único de mover céus e terras, de inibir, coibir e transtornar qualquer realidade que conheçamos, só porque teve vontade (Fl 3. 21). Paulo é o que é, por que Deus assim o desejou, foi Ele que o escolheu para ser Seu Apóstolo. Ele não teve nada haver com isso, nem tão pouco fez por merecer, como ele mesmo nos afirma em sua primeira carta aos Corintos (15. 9). Nenhuma outra vontade na igreja tem o poder que essa Vontade tem. A vontade de Deus imprime em tudo o que Ele toca a santidade do Seu caráter. Os agressivos, nervosos, quase neuróticos que estão dentro da igreja deveriam prestar atenção a esse fato, pois ele pode também ser destruidor para quem o enfrenta. Paulo não é o que é por sua erudição, por suas raízes, por presepadas ou algo que lembre essa palavra. Ele é o que é por Aquele que tem todo o poder para executar qualquer uma de Suas vontades. Deus QUIS que toda Sua plenitude estivesse em Cristo (1. 19/2. 9), para assim estar entre os Colossenses, e dessa maneira ser único em sua adoração. Cristo é suficiente para dirigir sua igreja. Todos aqueles que usam a vontade de Deus para obter benefícios pessoais, a seu tempo encontram juízo para seus atos "pecaminosos". 

 

Não há, e nem pode haver uma Igreja de Cristo regida por dois senhores, pois como disse Ele, um há de ser desagradado para a satisfação do outro. Mas é assim que vivemos nessa undécima hora, vendo Cristo deixado de lado todos os dias entre o Seu próprio povo. Creio que será assim até o fim, onde certamente Ele colocará todos ao seu lado (Mt 25. 31- 46), uns à Sua direita, outros à Sua esquerda; mas deixar de lado não! 

Não, Cristo não deixa ninguém de lado. Não é essa a Sua vontade.




Postagens mais visitadas