Filipenses. Paulo Versículo por Versículo.



FILIPENSES. PAULO VERSÍCULO POR VERSÍCULO.
 
 
A TEOLOGIA gentilmente nos informa que o assunto predominante da carta de Paulo aos Filipenses é a alegria. Alegria em viver, em obedecer, em ser submisso, em acreditar e em doar. Sendo o último, assunto de todo o capítulo final (4). A ideia de doar predomina nas palavras finais do Apóstolo aos seus amigos (v. 17). Por duas vezes fui tolo o suficiente para escrever sobre FILIPENSES. Uma em 2002, e novamente em 2006. E de agora em diante, de acordo com minhas antigas anotações de 2007, passarei aos queridos, a minha compreensão.
            Versículo 1 – Paulo parte para as considerações finais. E num último ato pastoral, solicita aos filipenses que lhe sejam, como sempre, motivo de grande alegria e orgulho. Uma doação sincera, para um coração já tão saqueado pelo abandono e descaso de muitos (v. 15).
Versículos 2 e 3 – Não existe uma receita única para se resolver tudo na igreja. Paulo lembra que às vezes as coisas se resolvem quando colocamos; doamos um pouco mais de nós. Evódia e Síntique não eram criadoras de problemas, mas, já se acostumavam a levar a vida naquela mesma marcha. No caso delas, era preciso somente se doar um pouco mais, e a mesma regra valia para Sízigo, o fiel companheiro de jugo. E essa mesma regra vale para muitas coisas em nossas vidas.
        Versículos 4 e 5Doe vida por meio de sua conduta, doe sal e luz. Isso dará as pessoas motivos para louvar a Deus.
        Versículo 6 para Deus a sua credibilidade e confiança. Quando oramos em suas mais variadas formas, estamos dizendo para Deus que confiamos Nele. Quem não ora, diz Paulo, não confia em Deus e nas palavras que nos ensinou Seu filho Jesus.
        Versículo 7 – "Pegue o recibo" e aguarde. Quando confiamos a Deus nossa mente e coração, recebemos a paz como o recibo da entrega. Se orarmos e não sentirmos paz, é quase certo, que não oramos direito, como convém.
        Versículos 8 e 9 a Deus motivos para andar com você. Deus não habita em templos feitos por mãos de homens. Ele habita no templo que Ele mesmo fez para Si, isso é, seu coração.
        Versículo 10 as pessoas uma constante mostra de sua gratidão e alegria. Revele as pessoas que as suas boas ações não passam despercebidas. Fingir que não vemos o que as pessoas fazem de bom, é um dos maiores pecados na igreja.
        Versículos 11, 12 e 13 as pessoas um pouco de seu discipulado. Nem com faca no pescoço, algumas pessoas conseguirão passar para frente algum bom ensinamento que aprenderam. A retenção de conhecimento nos joga dentro da melhor definição de esoterismo (I Co 11. 23a).
        Versículo 14 as pessoas uma porção de coragem, e mais cedo ou mais tarde, você verá o fruto dessa coragem (Investir em pessoas nunca é perda de tempo, nem quando o tempo é escasso. Por que o tempo nunca, na economia divina, será mais importante que as pessoas).
        Versículo 15 – É a mesma regra do v. 14, só alterando de coragem para iniciativa. Dízimos e ofertas são frutos de uma mente que deseja promover o mesmo tipo de mudanças que sofreu.
        Versículos 16 e 17 as pessoas uma mostra de seu interior. Há lideres que se passam como impenetráveis, invencíveis, sem jamais terem conhecido a necessidade. Às vezes, a gente ajuda mais, quando pede ajuda.
        Versículo 18 as pessoas o devido reconhecimento por suas ações. Se for necessário, cite o nome e a atitude. Associe isso a coisas que descrevem seu sentimento. Reconhecimento não é um direito de ninguém. No entanto, é dever de todos (2. 3).
        Versículo 19 as pessoas acesso a sua crença mais intima e profunda. Crença significa que o ensinamento chegou ao coração. Aquilo que a fé produz de concreto e que se torna sujeito à análise.
        Versículos 21 e 22 as pessoas os recados a ti confiados. O pastor responsável por meu discipulado ministerial dizia que não saber dar recado direito me era uma falta grave. Depois disso, eu aprendi que a lembrança é vital para a saúde dos relacionamentos. Tudo mundo gosta de ser lembrado e querido. Não é pecado querer ser amado e estimado. Ora, para ilustrar isso, cito o próprio Jesus. Ele tinha seus amigos, isso é, um lugar onde era valorizado. Num mundo sem torpedos sms, e-mails e redes sociais, a confiança no mensageiro era vital para a comunhão. Paulo é o Apóstolo Canônico que mais parece entender, e se valer disso (Rm 16). Quanto a mim, acho que aprendi a lição.
 
Dessa forma é que preparo meus textos e artigos, por pequenas anotações, que junto a outras meditações dão vida ao meu coração (e ao BLOG).
Ney Gomes – 31/08/2010.
 



Postagens mais visitadas