[2. 1- 5] NÃO APENAS DE PALAVRAS (2010).

19/08/2010.

COLOSSENSES. NÃO APENAS DE PALAVRAS.

"Quero que vocês saibam quanto estou lutando por vocês, pelos que estão em Laodiceia e por todos os que ainda não me conhecem pessoalmente. (...) Porque, embora esteja fisicamente longe de vocês, em espírito estou presente, e me alegro em ver como estão vivendo em ordem e como está firme a fé que vocês têm em Cristo".

(Cl 2. 1 e 5 – NVI).

Agora passados sete anos desde que escrevi pela primeira vez sobre a carta de Colossenses, vejo com clareza, coisas que só mesmo a maturidade nos possibilita ver. Paulo está escrevendo para pessoas que nunca conheceu pessoalmente. E sabe que é muito difícil alcançar corações sem se mostrar presente. É possível perceber sem lamento sincero nas primeiras palavras do capitulo dois. Para Paulo a única maneira de formar Cristo nas pessoas é pessoalmente. E no desejo de compensar os colossenses por não ter tal privilégio, Paulo revela a eles o fervor de sua vida de oração (v. 1). Para ele, era difícil falar de Cristo na terceira pessoa. Em seu ministério, Cristo era revelado em sua vida, ações e às vezes por palavras (I Co 4. 16). Ele costumava ir aos lugares, mas com os colossenses isso ainda não havia sido possível.

Restou-lhe então escrever uma carta mais forte que de costume, com novidades de palavras e conceitos. Tentar expressar nela, o que em outros lugares era visto em seu coração. Nessa carta surge uma série de palavras que em nenhuma outra epístola é encontrada (62 termos). E esse é o seu modo de compensar o fato deles jamais terem visto o seu rosto. Falar de Cristo é fácil, e hoje, por conta dos meios de comunicação, mais ainda! Mas, formar Cristo nas pessoas é mais difícil, por que requer estar presente, mostrar os dentes. Por conta disso há entre nós muitos fracos e doentes e não poucos os que dormem. Por que programas de rádio e televisão cansam, dão sono e nos fazem herdar uma vida sedentária. O coração fala melhor que mil palavras, e em todos os idiomas. É ele que não deixa dúvidas em nossa mensagem e que sustenta nossa coerência. Não dá para falar com propriedade sobre coração e ao coração, sem estar presente. Por isso, Paulo apela para os relatórios de Epafras, que era conhecido, amado e amável com a igreja (1. 8).

É aqui, nessa carta, que Paulo expõe o que em nenhum outro lugar escreveu. O desejo sincero que infelizmente seu coração não podia demonstrar. Igreja é coração. É corpo de Cristo, é corpo de Paulo, é corpo de Pedro, é o meu corpo; é o seu corpo! Igreja é corpo presente, é nunca, nunca estar ausente. Lá em Colossos, um grama de Epafras, valia mais que mil palavras de Paulo (4. 12). E eu acho que hoje, essa regra não existe em nenhum lugar mais (Fl 4. 9).

Postagens mais visitadas