1ª INTRODUÇÃO DE CORAÇÃO DE ELISEU.

A FACE DO CORAÇÃO DE ELISEU.

Agradecimentos Pessoais.



Não parece ser sensato ser tão exato nos agradecimentos, quando se fala em 14 anos de caminhada. Mas, a verdade, é que nesse caso, preciso sim, citar alguns poucos nomes. Pessoas que me foram sempre inspiração de verdade, justiça e compromisso com os valores do Evangelho. Preciso falar de Paulo Viana, meu amigo e filho na fé; sempre presente em corpo, alma e espírito. Sempre ético, sua amizade me é com freqüência, fonte de inspiração. Deus poderia resolver o problema da humanidade, se Paulo estivesse disposto a ter cem filhos e filhas. Preciso fazer menção de Paulo Henrique e Sandra, amigos leais e verdadeiros. Paulo Henrique (Thor, como lhe chamam os mais próximos) dispensa qualquer comentário mais profundo. Ele – como todos sabem – é profeta em qualquer direção que seguir. Suas palavras são tão pesadas quanto o serviço que suas mãos executam em prol dos santos. Quero fazer menção de Haroldo e Luciane, amigos incomparáveis. Difícil acompanhar a compaixão que os leva a lugares tão profundos em Deus. Elaine e eu somos eternamente gratos pela vida deles; pelo serviço paterno que eles gratuitamente nos ofertam sempre. Não sei se Deus aprova o imenso orgulho que tenho em ser amigo deles.

Sou devedor de muitas pessoas, mas, com esses cinco profetas tenho dívidas que não posso pagar (eles me são o rosto de Coração de Eliseu). Quero deixar claro que fazendo tais citações, serei injusto com mais três ou quatro amigos. E que o SENHOR e eles me perdoem por isso!

Ney Gomes – Julho de 2011.


INTRODUÇÃO OCASIONAL DO AUTOR.




Na última página de sua revista bimestral, a ULTIMATO trás o artigo de Rubem Amorese, que nos fala sobre ortodoxia e ortopraxia (Edição nº 330, pág. 66). Pessoas que conhecem o amor, e pessoas praticam o amor. Lembrei-me de Eliseu, um profeta ortoprático. Considerado pela teologia como não canônico, é sem dúvida, o mais canônico de todos. Mas, a autenticidade de sua mensagem não está na letra, e sim no coração (Jo 13. 34, 35).

Desejei em meados do ano passado publicar esse texto em meu BLOG. Mas, dias depois de fomentar essa ideia, o SENHOR me negou tal desejo. E foi perto dessa data, que resolvi escrever sobre I João (Cristandade Simples). Lembro de não ter demorado uma semana para escrever os dezoito comentários desse texto devocional (de 2005). Elias, Eliseu, João Batista e Jesus são os quatro pés dessa mesa posta para alimentar o povo de Deus. E qualquer pessoa que queira ser reconhecida na figura de profeta, deve atentamente olhar para a vida deles; por que Deus nada sustenta fora desse modelo. Nesse formato, observamos o trabalho do Pr. Martin Luther King Jr, a quem Ricardo Godim, em artigo intitulado “A falta que fazem os profetas”, datado de 2006, chama de autêntico profeta do século XX. Acredito, que com isso, podemos todos concordar.

Não escrevi nesse texto nada que se compare com uma biografia, apenas, fui lendo e extraindo verdades e princípios. Deixando claro que ser profeta não é viver da inspiração cúltica e casual; de ver em todo o tempo o passado, presente e futuro. Ser profeta não é só falar em nome do SENHOR, ser profeta é também ouvir a voz das ruas, das casas, dos palácios. Jesus sempre esteve disposto a ouvir as pessoas, mesmo em suas tolices. E isso, nunca lhe diminui o ministério em nada, pelo contrário (Mat 16. 18). E como Jesus, Eliseu era progressista. Entendiam que o caminhar do povo não acontecia por que eram perfeitos. Mas, que ao caminhar, alcançavam a perfeição (parafraseando Rick Warren). Foi Eliseu acima de tudo, um profeta didático. Em seus ensinamentos, certamente era possível de se ouvir: “Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor”. (Os 6. 3).


Ney Gomes.
"Se trabalhamos e lutamos é porque temos colocado a nossa esperança no Deus vivo." 1 Timóteo 4.10

Postagens mais visitadas