Apologia - A Teologia do Esquecimento.

A TEOLOGIA DO ESQUECIMENTO.
Texto para Meditação: Mateus 18. 15- 36
            Deus sabe que não minto, quando digo que lhe sou extremamente grato, pelos meus primeiros líderes, que me ensinaram a Palavra de Deus. Por nos deixar ver – e essa era a maior riqueza – seu entusiasmo por Ela. Sou grato a Deus, por meu primeiro pastor (e esposa) e minha primeira professora de EBD. Pois é por meio de tudo o que aprendi, que posso com propriedade falar de todos os erros que em nome de Deus hoje se cometem.
            Não faz muito tempo que percebi a ligação íntima da teologia da prosperidade (TP) com a teologia do esquecimento (TE). Foi meu primeiro pastor que me ensinou a importância do perdão. Todavia, também me ensinou que o arrependido não precisa de muito para se redimir. Na verdade, uma pessoa precisa estar disposta a perdoar o quanto for preciso. Em números, isso significa, infinitamente! Mas, ao arrependido, uma vez basta a oportunidade (II Co 12. 9/Hb 6. 4- 6) . Perdoar não é uma atitude unidirecional. Perdoar é uma atitude comunitária, e significa estar livre para viver em grupo. Na comunidade perdoar um, é perdoar o todo. Por que todos em Cristo são um; Seu corpo, Sua vida, Seu único sacrifício.
            Perdoar é doutrina. Deve ser ensinada, reverenciada e vivida. Mas, hoje a TP banalizou a doutrina do perdão. Ela perverteu seus valores para amenizar seus excessos. Sabemos que o passado não tem importância e deve ser esquecido (II Co 5. 17). Mas, um passado que se repete constantemente não é passado, é presente; prática de conduta! A TP apregoa um perdão “sem fim” a gente que não abandona o pecar, errar, matar e dar escândalos. A TE quer esteja em Moisés (G12) ou em Jesus (tradicional) é do “inferno”. Os excessos hoje vistos com freqüência não seriam aceitos tão facilmente sem a efetiva implantação da TE. Pecados da membresia não são assim facilmente perdoados entre o povo. Esses não podem enganar; roubar; trair; mentir; esbanjar; ostentar; falar. A TE nos transforma em gente sem moral, sem vergonha, sem ética, sem princípios. “Faz-se tudo” em nome do perdão de Cristo.
            Hoje, segundo a TP e a TE, Paulo não precisaria abandonar a vida “de assassinatos e perseguição” para ser apóstolo. A mulher adúltera não precisaria ser importunada com as palavras “vai e não peques mais”. Alexandre, o latoeiro, seria dez vezes bispo de uma igreja qualquer (II Tm 4. 14). E ainda me faltaria tempo para falar de Diótrefes (III Jo 9). Pra ser bem franco, segundo a TE, Jesus nem precisaria ter morrido na Cruz, uma morte tão horrenda, para validar a “santidade” que gratuitamente nos é oferecida.
            Veja, se dois membros de uma igreja brigam pelo controle de uma gráfica de livros e isso perturba a vida da igreja. O pastor entra na questão e tenta resolver. Se não consegue, por fim, ele afasta os dois membros da comunhão. Se um membro diz que os “negros” são amaldiçoados, por serem descendentes de Canaã, o pastor é o primeiro a condenar ele (Gn 9. 25). Se o membro diz que os que não crêem na TP “são idiotas”, o pastor terá isso por grande ofensa aos irmãos. Se eu membro qualquer escreve um livro e diz que é a favor do ABORTO em qualquer de suas formas, no outro dia, ele já foi excomungado, esconjurado e amaldiçoado. No entanto, a TE torna essa práticas constantes entre pastores, similares e genéricos.
            Jesus trata justamente dessa questão com Pedro em Mateus 18. Deixa claro o papel multidirecional do perdão. Para viver “em comunidade” é necessário querer perdoar, deixar pra lá. Essa atitude deve ser comum “com todos”. Sete, dezessete, setenta ou setecentas mil vezes! Mas veja, o ensino sobre a “pessoa perdoada”. Depois que ela recebe o perdão real (corporal), tem a obrigação de fazer o que é certo. De copiar as “atitudes corporais de Cristo”. A sua falta de conformidade gerou uma tristeza na comunidade, e essa tristeza se tornou em uma comunicação. Aqui está a saúde da igreja; um corpo que se comunica com a cabeça. A TE corta essa ligação e isola o corpo, que sem direção, adoece moralmente.
            O desejo desordenado por posição e a chamada constante por obediência marcam a data e a hora que uma igreja começa a morrer. O “camarada” se torna tão divino e infalível, que os seus erros [sic] se tornam num instrumento por onde Cristo manifesta Sua perfeição, sempre! O que quero dizer, é que a TE autoriza os enforcamentos e esmagamentos de garganta. E impede a igreja de gerar a comunicação necessária para a decisão que vai manter a saúde da comunidade. A TE rompe a ferro e fogo a verdade de que somos uma comunidade espelhada. Isso é, atitudes semelhantes e que se assemelham. O sujeito sofre uma ação que o beneficia e não a impõe a outros. Vivemos sobre a regra áurea do Evangelho: “Faça aos outros, o que gostaria que lhe fizessem” (7. 12). No entanto, a TP e a TE sufocam essa e outras verdades que emanam do Evangelho de Cristo.
            A TE transforma RAMOS VIVOS em FIGUEIRAS MORTAS (v. 32). E faz isso por verdades sem contextos. Do tipo: “Venha a nós o Vosso Reino”. Uma liderança sem a responsabilidade de ser exemplo é uma liderança assassina (Tg 3. 1). Pois a palavra que está no centro da Cristandade é: “Não deveria você também...”. Já que “EU” consertei o seu telhado, não deveria você parar de atacar pedra no dos outros? Já que perdoei suas dívidas, não deveria perdoar a dos outros? Ora, a maldição da TE cancela todas essas verdades básicas sobre as quais construímos nossos mais importantes relacionamentos.
            Quer saber! A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE E SUA MALDIATS FILHAS, ainda produzirão inúmeros males no ceio da igreja. Mas, a gente tem uma agenda de esquecimento tão intensa, que talvez, até lá, não dê para lembrar-se de nada disso do que falei.
Ney Gomes.
"Se trabalhamos e lutamos é porque temos colocado a nossa esperança no Deus vivo." 1 Timóteo 4.10

Postagens mais visitadas