C.de Eliseu - A Última Botija.

Comentário 04.
A ÚLTIMA BOTIJA.

“... Depois disso ela foi embora, fechou-se em casa com seus filhos e começou a encher as vasilhas que eles lhe traziam. Quando todas as vasilhas estavam cheias, ela disse a um dos filhos: "Traga-me mais uma". Mas ele respondeu: "Já acabaram". Então o azeite parou de correr. Ela foi e contou tudo ao homem de Deus, que lhe disse: “Vá, venda o azeite e pague suas dívidas. E você e seus filhos ainda poderão viver do que sobrar”.                                       
  (2 Rs 4. 5-7 - NVI).

Baal havia deixado o povo como suas vasilhas: - Vazias!

As investidas de Elias haviam deixado Baal mal das pernas, mas Eliseu tinha planos de derrubá-lo de vez. Uma das principais funções dos profetas é idealizar formas de falir com a idolatria e suas conseqüências (Sl 115. 1-9). Para isso eram válidos confrontos diretos e providências indiretas. O lado positivo da idolatria é que ela fornece elementos para sua própria falência e ruína.
Além de esfomeadas, Baal as havia deixado com dividas comprometedoras; levando muitos israelitas a bancarrota, literalmente! E por conta dessas coisas é que Eliseu desejava esmigalhar, esfarelar Baal! Talvez ele fosse melhor como farelo do que como divindade. Mas para isso, ele precisava de um grande instrumento, porém onde encontrar? Num lugar cheio de bigornas, onde procurar um martelo? Foi então que Deus lhe atendeu as orações e lhe enviou uma viúva pobre!
Não há nada mais poderoso do que uma autentica viúva pobre, cheia de fé e de boas obras para destruir coisas como incredulidade, idolatria e descaso (Lc 2. 36, 38). Eliseu sabia que estava diante de uma oportunidade que não poderia perder. Ela estava desorientada e angustiada, a fome e o desespero lhe cegavam o entendimento, e ela mal conseguia manter-se de pé. Eliseu então insistiu e perguntou se ela tinha algo em casa. Com a barriga vazia e às portas de perder seus filhos, as pessoas não conseguem raciocinar bem, mas Eliseu insistiu novamente. Foi então que em seus pensamentos, vagueando entre os cômodos de sua casa, ela viu uma pequena vasilha com um algum azeite: “Tua serva não tem nada, senão uma pequena botija com azeite”.
Eliseu esboçou um tímido sorriso, enquanto falou consigo mesmo em seu intimo: “E do que mais Jeová precisa?” A História Bíblica comprova que podemos fazer muito pouco pelas pessoas, senão as ensinarmos algo tangível sobre o caráter e a natureza de Deus. E Eliseu iria junto com aquela viúva ensinar e reafirmar a verdade mais poderosa sobre JEOVÁ aos Israelitas. E a verdade é de que Deus, sempre cuida de seu povo, principalmente daqueles que não tem com quem contar nessa terra (Sl 68. 5/Mt 23. 14).
Baal era um padroeiro inoperante, se você batesse nas portas das casas e pedisse algo De sua parte às pessoas, elas só lhe ofereceriam vidas e vasilhas vazias! Cada vasilha emprestada evocava uma séria reflexão sobre o fracasso de Baal em alimentar seus seguidores e simpatizantes (Baal era considerado deus da fertilidade e da chuva – I Rs 18. 4). Ao mesmo tempo em que lhes instigavam a curiosidade sobre o que uma viúva pobre queria com tantas vasilhas vazias. E é sempre muito bom lembrar, que em alguns casos, a curiosidade é mais nociva que a falta de fé (I Ts 4. 11/Rm 12. 3). Por isso, Eliseu havia advertido ela a se trancar em casa com seus filhos, o que prontamente ela fez. Quando se certificou que estava tudo trancado, começou com os filhos a encher as vasilhas, e à medida que as botijas (vasilhas de barro cilíndricas) eram cheias, seu coração também se enchia da esperança que transborda do amor de Deus por aqueles que Nele esperam (Is 64. 4). Não podemos roubar o mérito de Baal, afinal foi por causa dele que havia tanto vazio naquela ocasião (I Rs 17. 1). E tudo foi se enchendo e enchendo, até que elas acabaram, e quando não havia mais nada, aquele azeite parou. Mas havia uma última botija, que era muito especial, e ela foi enchê-la. Seu coração transbordava agora com óleo de gratidão.

A última botija era o Coração de Eliseu, que se encheu de alegria com mais esse favor de Deus. Dessa forma o profeta Eliseu e seus amigos foram preenchendo com amor e solicitude os espaços vazios que Baal deixou na vida da nação. Aqueles dias foram dias de frescor para Eliseu, que sabia que um dia, as pessoas não passariam mais fome por causa do pecado e idolatria. Esse dia vai chegar, é o dia em que o conhecimento de Jeová encherá toda a terra, assim como as águas enchem o mar (Is 11. 9/Jr 31. 31-34).


“Celebramos com orgulho nossos mártires e desejamos muito, que surjam novos para não acabar a festa de nossa celebração”.


Postagens mais visitadas