Devocional - Salmo 36, subir.


AGARRADOS AO que nos faz subir.

“O teu amor, SENHOR, chega até os céus; a tua fidelidade até as nuvens. A tua justiça é firme como as altas montanhas”. (Salmo 36. 5, 6 – NVI).

Palavra do Senhor, no Salmo 36 que subiu ao meu coração nas primeiras horas do ano de 2011. Assim me disse o Senhor Deus: 

            A vida é feita de vários movimentos; viver é estar em movimento! É ter sempre que escolher uma direção, um caminho. Mas, basicamente, dois movimentos coordenam a vida de todos os homens. Sobre esses dois movimentos acontece a definição de nossa eternidade. Não dá para fugir dos movimentos de descer e subir. Na vida, de acordo com nossas atitudes, descemos ou subimos. E os demais movimentos são construídos a partir desses. Davi parece ter descoberto ao que se agarrar para subir, e é ele que nos ensina essa receita.
         Davi percebe que a receita mais simples para descer é não estar apegado a nada, nenhuma regra, nenhum código, nenhuma aliança. Vivi anos com pessoas assim dentro da igreja, e acho que sei bem como ele se sentia ao ver essas coisas. Tais pessoas são autosuprassuficientes. Essas pessoas seguem suas próprias regras, que na prática significa estar bem (v. 2). Se estiver bem significar mentir, elas mentirão; para elas a maldade é uma ferramenta necessária e essencial. Se estiver bem é ter que denegrir a imagem alheia, que maldade há nisso? O importante é sair bem na foto. À noite, no recôndito de seu leito, pensam essas pessoas na melhor forma de diminuir seus problemas (v. 4). A melhor forma é sempre a mais rápida, e a mais rápida, é sempre diminuir as pessoas (v. 11/Mq 2. 1). Não reconhecem o mau, nem as suas formas. São obstinados em se dar bem e estar bem, e nesse seu caminho o bem é um mal necessário.
         Ter uma vida de ascendência é ter uma vida atada aos valores de Deus para os homens. Subir e continuar subindo não é fácil. Para isso é preciso fazer uso de coisas que nos ajudem. E para as pessoas de bom senso como Davi, é impossível ter uma vida de valores elevados por conta própria (v. 3). Nesse processo de subir Davi encontrou três coisas que são de grande auxílio. Ao identificar essas coisas, ele se agarra a elas e nos aponta a segurança do processo.
"O Teu amor chega até o Céu" – Amar é a forma mais primitiva de se encontrar com Deus. O amor é a substância que nos preenche enquanto subimos. Que torna a nossa vida num som que faz sentido. O que nos mantém inteligíveis enquanto somos transformados. Quando não existe amor a transformação fica incompleta e os homens se tornam em verdadeiros monstros sagrados. Mas, não do modo que apregoa o Faustão.
“A Tua verdade chega até às nuvens” – A verdade é aquilo que nos alivia dos pesos que nos são impostos durante a vida. É uma coisa bem vista por todos os ângulos. Ela enxuga nossos valores tão umedecidos pela lama do pecado. Até entrar na igreja, eu acreditava que era um grande mentiroso. Eu mentia para todo mundo; na escola, em casa, na rua. Mentir me era uma coisa natural até a adolescência, e foi aí que meu pai me ensinou a verdade pactual: Se eu dissesse a verdade, nunca ficaria de castigo. Claro que parei de mentir, e para não mentir mais, tive que parar de fazer coisas erradas.    Sempre achei – até entrar na igreja – que eu mentia fácil. Descobri que não sabia nada sobre mim, sobre mentira e sobre a coorte portuguesa.
“Tua justiça é como as altas montanhas” – Justiça é uma marca de cidadania, e uma coisa que não existe entre bárbaros. Tão logo nos agarramos à justiça que há em Deus, somos repatriados ao nosso lugar. Por causa da justiça em acordo com a verdade, somos capazes de amar o que é certo.

Por essas três coisas Davi venceu gigantes, e ajudou a desenhar essa figura que hoje reconhecemos por humana. Não só a figura, mas um mapa para aqueles que desejam subir até onde Deus está. Tudo o que ele queria era subir; não ser pisado pelos homens. Permanecer no lugar que os homens não conseguem se levantar.

Postagens mais visitadas