Devocional - Admirável Rei Saul.


ADMIRÁVEL REI SAUL.

Texto Para Meditação: I Samuel, caps 9 ao 16.

A Bíblia não esconde em momento algum que Samuel ficou encantado com Saul, sua aparência, com a harmonia do que naqueles dias acontecia. Sabemos que Davi era um poeta, mas, não existe poesia no relato de sua escolha. No entanto, a escolha de Saul é carregada de poesia e significado. Saul era um rei pronto! Davi, ainda era um projeto. As palavras de humildade de Saul; sua insistência em se mostrar insignificante (9. 21) diante do que Samuel dizia, lhe davam certezas: Aquela era o escolhido do Senhor. Bonito por fora, humilde por dentro.
Sobre Saul, Samuel tinha visões muito significativas. Ele era certamente um rei para ser visto e admirado. O profeta não conseguia esconder a admiração em estar diante de um rei que não poderia passar despercebido. E ele profetizou: Você será visto por dois homens perto do túmulo de Raquel, será visto por três homens perto do carvalho de Tabor, será visto pelos profetas que não conseguiram conter o culto no templo. Será visto por sua tribo, por Israel, por seus inimigos e por toda a História. Samuel ficou extremamente aborrecido quando alguns homens insistiram em não querer enxergar Saul (11. 12).
Samuel via Saul como a glória de Israel, e mesmo sabendo que o SENHOR o rejeitara, nunca deixou de pensar nele assim. Depois do episódio envolvendo os amalequitas, nunca mais viu Saul, e a gente nunca poderá entender o como isso foi doloroso para o profeta. Samuel amava o melhor para Israel, e naquele momento, Saul era esse melhor. Davi seria o rei ideal, mas naquela hora, ele era um projeto. Saul era real e estava ali, o melhor que se poderia escolher.
Samuel com frequência suplicava por Saul, lamentava sempre por Deus tê-lo rejeitado. Quando Deus lhe enviou para ungir Davi, a tristeza ainda habitava em seu coração e parecia não ter data para sair (16. 1). A escolha de um novo rei significava para Samuel, que sairia de diante dos olhos de Israel o que Saul representava. Certamente isso lhe deixava mais triste ainda! Então, foi ele ungir o novo rei.
Foi difícil escolher um rei, já que o profeta não queria ver um. Talvez, se não fosse pelo SENHOR, teria ele ungido todos os filhos de Jessé como reis. Mas ele viu Davi, pequeno, fraco e de aparência ainda delicada. Ele então unge Davi; sem poesias, significados especiais, conversas reservadas e encontros pelo caminho. Sem beijo, liras, tamborins, flautas ou harpas.
Para Saul, Samuel foi mais que profeta; foi súdito leal! Saul era o seu rei corajoso, que lutava as guerras do SENHOR, que fez com que Israel tivesse paz para viver, plantar e colher. Enxergava seu papel como o ser mais um na multidão que seguia Saul. E ele fazia isso muito bem. Davi seria rei de um outro tempo, uma outra geração. Nada se podia ver nele ainda, que se pudesse admirar. Deus sempre confiara em Samuel, por isso, colocou Davi na tenda de Saul (16. 21). Para que ele pudesse ver tudo àquilo que tornava Saul admirável aos olhos de Samuel. Se isso acontecesse, Davi seria dono de chances reais de ser um rei melhor que Saul. Talvez assim, Samuel aprendesse de igual modo a amar Davi. Não é obrigatório, mas boa coisa é quando os profetas amam com admiração seus reis.
Samuel ficou preso a Saul, por causa de sua capacidade de sempre ver o melhor das pessoas. E que Deus, nesses dias, nos dê mais prisioneiros desse amor.

Ney Gomes.
           "Se trabalhamos e lutamos é porque temos colocado a nossa esperança no Deus vivo." 1 Timóteo 4.10

Postagens mais visitadas