Poesia - Dívida Gentil.

DÍVIDA GENTIL.
 
 
Devo a um amigo essa falta de gentileza.
Um dia passando pela felicidade, ele a empurrou para cima de mim.
Devo a ele a falta de gentileza, de num momento não pensar em mim mesmo.
Talvez lhe pague um dia, com uma estupidez qualquer de amor!
Mas a felicidade: Essa eu vou ficar devendo para sempre.
 
 
 
 
De Ney para o amigo da Rua Rinaré.
"Teólogos escrevem sobre Deus. Mas quanto aos poetas, só Deus sabe!"

Postagens mais visitadas