Poético - Miopias do Cotidiano


"E por último, depois de todos, morreu também a mulher". (Lc 20:32 - ACF)

MIOPIAS DO COTIDIANO.

Jorgiana ainda moça, contrariando os pais casou com Barroso (ele era chamado assim, por que quando bebia, se embriagava de cagar nas calças). Barroso maltratou ela por anos, até que finalmente bêbado, foi atropelado por um ônibus.

Passou um tempo, passou o luto e Jorgiana conheceu FernandoPé de Boi’ (ele era chamado assim pelos amigos, por que trabalhava desde garoto e trabalhava igual um boi de arado).  ‘Pé de Boi’ amava Jorgiana, mas não se amava. Além de beber muito, também fumava. Um dia deu câncer e  logo morreu.

Jorgiana chorou muito, mas já estava profissional na dor. Quando secou suas lágrimas, ela enxergou ‘Tonho Marreta’ (ele era chamado assim, por que era proprietário de uma oficina de lanternagem e pintura de carros). ‘Tonho’ era o cara apaixonado pela vida, por Jorgiana e por si mesmo, muito por si mesmo! Ele malhava todo dia e tomava suprimentos duvidosos e anabolizantes diversos. Um dia na academia tomou tanto anabolizante que deu um piripaque cardíaco e morreu!

Esses amores e dores aconteceram por mais ou menos 40 anos e Jorgiana já não sonhava mais em ter ninguém. Mas um dia, uma vizinha lhe falou de um grande amor e seu coração acendeu. Ele foi numa igreja evangélica naquela noite e conheceu Jesus (Ele é chamado assim, por que nasceu para ser o salvador da humanidade). Jesus foi o homem de todas as suas alegrias até o dia de sua morte.

Quando ela morreu, Jesus estava nos portões do céu. Ele aguardou sua chegada por causa de uma resposta que precisava lhe dar. Jorgiana olhou para Ele com alívio, pois esse amor foi o único que lhe deu certo. Então, ao vê-lo e de coração descansado desabafou: Senhor, minha vida foi tão ruim! No que rapidamente Jesus lhe corrigiu: Não filha minha, não foi a vida que foi ruim! Foram as escolhas!

Ney Gomes. Janeiro, 2017.
“Teólogos escrevem sobre Deus. Mas quanto aos poetas, só Deus sabe”.



Postagens mais visitadas