Mosaico Davi - Saul e Davi. E a Sorte na Moeda.

 
SAUL E DAVI. E A SORTE NA MOEDA.
 
“Assim como fizeram comigo desde o dia em que os tirei do Egito, até hoje, abandonando-me e prestando culto a outros deuses, também estão fazendo com você”. (I Samuel 8. 8 – NVI).
 
 
Quando o povo rejeitou Samuel sabia bem que estava se entregando a própria sorte. Foi como ver Deus jogar para alto uma moeda, e esperar para saber se sua sorte estava na “cara ou na coroa”. Mas, ao menos um israelita teria abreviado esse resultado em sua vida. Seu nome era Davi! 
Davi logo descobriu que lhe foi um grande azar ter encontrado Saul e ter sido amado por ele (I Sm 16. 21). Que lhe foi azar ter sido mais querido pelas mulheres de Israel. Teve o azar de ver pelas ruas as crianças “brincando” de Davi e Golias, com pedrinhas e pedaços de galhos como espadas. Teve o azar de ver seu nome preenchendo as músicas e as letras dos poetas (I Sm 18. 7). Descobriu como era azarado por ser gentil, amável e de meiga aparência (I Sm 16. 12).  
Davi descobriu que não tinha mesmo sorte, quando teve de fugir da presença de Saul, quando teve de se esconder de sua fúria (I Sm 20. 32). Quando teve de se refugiar numa caverna e ver sua família correr riscos por sua causa (I Sm 22. 1). Viu que não tinha mesmo sorte ao ver que o que agora representava de nada valia diante da sandice de Saul. Sentiu a força do azar na solidão, no abandono, na fome, no medo e no descaso das pessoas (I Sm 21. 10- 14). 
Mas, um só momento de sorte compensou todo o azar que teve desde o início: Ter descoberto que ele era Davi e que Saul era Saul. Às vezes demora, mas o “cara” só sabe que é “cara”, quando vê que do outro lado da moeda está o “coroa”. Saul e Davi representam os dois lados de uma mesma moeda. Nós só descobrimos o que somos quando nos deparamos de frente com aquilo que não gostaríamos de ser. Isso aconteceu com Davi; um vaso de ouro descobrindo que não era de barro (II Tm 2. 20).
Saul era a inimizade de Deus para os inimigos de Israel. Era só isso que ele representava. Ele era um lado da moeda(Ex 23. 22). Por isso seu amor a Davi é mesquinho, fraco e doentio. Saul tenta fazer uma coisa que não lhe era próprio. Seu caminho era de ódio, desprezo e mágoa. No entanto, os anos se passaram e o povo descobriu que Davi era sua sorte, sem jamais ter percebido que Saul lhes foi um grande azar. Descobriram que estavam com sorte por ter “um rei segundo o coração de Deus”. Que amava a Sua casa, que amava o Seu povo e que amava as Suas coisas (Sl 16. 3). Estavam com sorte por ter um rei “salmista”. Amante da música, dos louvores a Deus, dos sons que vinham do templo. Um rei que amava os profetas, os sacerdotes, os levitas. Que assumiu o nobre papel de “pastorear” o seu povo. Levando-os a pastos verdejantes e águas tranquilas. Sempre pronto a responder qualquer que quisesse fazer mal a uma ovelha de seu rebanho.  
Que bom foi para Israel que Davi tivesse tido tanto azar com Saul. Que bom foi para Israel que Davi se conhecesse logo assim, tão jovem. Que bom que Davi quase tenha se perdido da mente o do coração do povo de Israel. Pois só assim é que ele pôde se encontrar, se conhecer e assumir o seu lado da moeda.
 
           Que você possa um dia ter o azar de encontrar o seu Saul. Caso contrário, que Deus me conceda a sorte de jamais encontrar você!
 
Ney Gomes – 23/09/12
"Se trabalhamos e lutamos é porque temos colocado a nossa esperança no Deus vivo." 1 Timóteo 4.10
 
 
 
 
 

Postagens mais visitadas