Estudo - 'E Nós Ainda Não o Conhecemos!". [Pneumatologia]






[Doutrina do Espírito Santo]

“E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo”.
(Evangelho de S. João 1. 33 – ACF)

Sabemos que a “Pneumatologia” foi uma das doutrinas mais desprezadas das últimas décadas. E se o SENHOR não voltar nos próximos anos, acredito que muitos comentários teológicos neotestamentários precisarão ser reescritos. Percebemos hoje, como a vontade e o movimento do Espírito Santo passou despercebido pelas palavras de alguns estudiosos.

Deus havia acabado de inventar o botão “reset”, todavia, o coração de Noé não acompanhava essa tecnologia divina. Mas o seu “primitivismo” não apagava o brilho e nem diminuía o valor de sua fé. Novos céus e nova terra estavam prontas para uma nova geração; descendentes de um homem que cria no invisível e acreditava no impossível. Seu nome era Noé; pregoeiro da justiça (I Pe 3. 20).

Noé quis saber se tudo já havia terminado, mas não poderia descobrir isso sozinho. Ele precisou da ajuda de uma pompa para isso. A “pomba” [o mais presente símbolo do Espírito Santo em nossos dias] anunciou por meio de “um ramo de oliveira nova” que estavam prontos, os novos céus e a nova terra (Gn 8. 10- 12). A pomba, pacata e dócil só repousaria num lugar onde lhe fosse oferecida condições de quietude (aquele mundo novo era ideal para os pombos). “Espantadiços” que são, tudo aquilo lhes era um maravilhoso santuário. A “oliveira” que ela encontrou aponta para Cristo, o “ungido de Deus”. Já em Noé a Bíblia nos faz saber, que é o Espírito Santo que nos revela o que de novo Deus está fazendo (Gn 8. 11).

Assim como a “pomba” da arca anunciou por meio do ramo, que estavam prontos os novos céus e a nova terra, a “Outra” pomba (Mt 3. 16) anunciou em Jesus o “nosso novo lugar; nossa nova habitação” (Gn 8. 12). Jesus é o Lugar onde nossas lágrimas são enxugadas; onde nossas dores são apagadas; onde desaparece a lembrança de nossos sofrimentos. Nele, a “Pomba” nos anuncia que as coisas velhas já passaram e que tudo se fez novo. Um novo lugar carrega o poder de fazer as pessoas se renovarem (II Co 5. 17), e isso também nos foi previamente anunciado pelo Espírito Santo nas Escrituras [Basta ler o livro de Êxodo]. Os 400 anos do dilúvio silencioso [o que chamamos de período interbíblico] haviam chegado ao fim, e um novo profeta precisava apontar a certeza disso. João Batista nos é apresentado pelo Espírito Santo, travestido de Noé, o que nos é depois confirmado também por Pedro em sua segunda carta, em razão de [pelo Espírito Santo] nos expor o caráter da mensagem de Noé aos seus contemporâneos (II Pe 2. 5/Hb 11. 7).

Em Jesus habita a nova Jerusalém; as promessas verdadeiras (Ap 21. 1). Paulo dá testemunho desses “novos céus e nova terra” ao dizer em Colossenses que Nele habita a plenitude da divindade (1. 19; 2. 9). Ele é a nossa nova e eterna Morada (Jo 14. 1- 3). Jesus é a verdadeira paz; as águas tranquilas; os pastos verdejantes (Ap 7. 17). Por que assim desejou Deus, que tudo o que dEle possamos receber, nos chegue por intermédio de Jesus, o único e eterno mediador. Mas a “Pomba” continua procurando “novos ramos” (Jo 15. 5) e não é de se admirar que a evidência de sua permanência nos Cristãos seja chamada de “fruto” (Gl 5. 22, ora, você sabe, a azeitona é o fruto da oliveira).
Que Ele te encontre e te faça saber: “Existe Algo novo para você!”.

 “Então esperou ainda outros sete dias, e enviou fora a pomba; mas não tornou mais a ele”.
(Gn 8. 12 – ACF)


Ney Gomes. 12/01/16
               "Se trabalhamos e lutamos é porque temos colocado a nossa esperança no Deus vivo." 1 Timóteo 4.10

Postagens mais visitadas