Colossenses. No Reino das Baratas Tontas [2011].





Colossenses. No Reino das Baratas Tontas.

"Ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o reino do seu Filho amado, em quem temos a plena redenção por meio do seu sangue, isto é, o perdão de todos os pecados. Ele é a imagem do Deus invisível, (...) Ele vos reconciliou no corpo físico de Cristo, por meio da morte, para vos apresentar santos, inculpáveis e absolvidos de qualquer acusação diante dele, se de fato permaneceis na fé, alicerçados e firmes, sem vos afastar da esperança do Evangelho".
 (Trechos de Cl 1. 13- 15 e 22, 23 – KJA).

Ainda me lembro bem do gosto do inseticida que costumava chamar de "bom ar". Lembro-me bem do tempo que era um leal súdito do reino das baratas tontas. Dançando ao som daquela música horrível que o diabo insistia em botar pr’a tocar. Se pensarmos bem, todos vamos encontrar uma forma de definir nosso tempo na escuridão. Para Paulo, em Colossenses, o mundo é um lugar cheio de pessoas boas, que não conseguem enxergar um palmo a frente da cara. Sem luz, não podemos pintar um quadro, escrever um romance, dar forma a um pedaço de madeira. Um mundo cheio de pessoas boazinhas que para nada prestam. Vamos de um lado para outro tateando com as mãos; amando somente aqueles que conseguimos tocar e que de certa forma estão próximos. A ausência de luz nos impede de entrar em contato com aquilo que pode fazer de nós pessoas melhores. Sem luz não haveria nenhum conceito de beleza, de certeza, de conhecimento. Eu certamente ainda estaria me sentindo uma barata que "botava pr’a quebrar"; chamando urubu de "meu loiro" e morcego de "passarinho".

Paulo se sente grato, e é possível perceber isso quando ele faz referência a toda à saída das trevas que habitavam em seu coração. O "Sangue" é a luz que escorre pelas grutas jamais exploradas em nosso coração. Onde escondíamos o fruto da escuridão que o diabo jogava para dentro da gente. O Sangue é a única coisa que ilumina o entendimento, e que nos faz ver o que realmente estava dentro de nós. Pelo Sangue descobri que não era uma barata que "botava pr’a quebrar". Eu nem era uma barata! O que chamava de "bom ar", era na verdade um cheiro certo de morte e escuridão. Toda essa perda de valores seria angustiante se de uma forma imediata não nos fosse apresentado o que realmente importa. Se eu não pudesse ser alguma outra criatura, gostaria sim, de continuar sendo uma barata tonta. No entanto, assim que cheguei à luz, me foi apresentado Um com o qual poderia me espelhar. Aquele cujo tipo de valores a gente não encontra em baratas dançarinas.

O ruim de viver na escuridão é não poder ver se o que oferecemos as pessoas é algo bom ou não. Daqui vêm às guerras, disputas e toda espécie de azar que assolam a humanidade. Sem luz a gente pode estar oferecendo "bosta" em bandejas de prata. Fazendo uso de palavras torpes, que saem de nós em quatro ou cinco idiomas. Por isso, por entender que a escuridão contamina, é que Paulo diz que Ele nos tirou das trevas e tirou as trevas de nós. Possibilitando-nos ver o que está fora e dentro de nós (Rm 7. 24). Mas, graças a Deus, que diante de tanta fealdade, Ele nos apresenta Cristo, a expressão exata de Seu ser, a plenitude de Sua divindade. Se não fosse Cristo, a luz só serviria para nos atormentar. Revelando nossas misérias sem piedade. Aliás, a luz sem Cristo é isso, verdade sem amor, extração sem anestesia!

Gosto de como Paulo traduz o Evangelho. Um sequestro total de nossos valores outrora obscuros. O apagar de todas as marcas que poderiam dar origem a muitos rumores. E o preenchimento completo de tudo o que ficou vazio e sem simbolismo. Cristo é a sabedoria que não nos faz delirar. A luz que não nos cega e a chama que queima e não consome. E nessa nova vida, Ele é o criador de todas as coisas, visíveis (valores) e invisíveis (virtudes). Reconciliando consigo todas as coisas, por meio da fé (terra) e da esperança (céus). Ele injetou em nós todo o agrado que de Deus Pai recebeu; tornando-nos a sua igreja. A igreja de Cristo, isso é, Seu ideal, nos é aqui apresentado. Uma sociedade santa; isenta de culpa e livre de qualquer acusação. Essa igreja só existe no sangue de Cristo. Ela é a igreja perfeita, a igreja triunfante que habita na eternidade. No entanto, nós estamos do lado de cá dessa definição. Nos libertando dia após dia das coisas nos acusam tão ferozmente, buscamos uma felicidade que contra nós não produza provas de danos a outros. Separando nossa mente e coração para pensar numa utilidade para a vida que nenhum de nós tinha o direito de viver. E para nós, igreja, é ter certeza que isso não dá para se fazer por conta própria, com a ponta dos pés; como baratas bailarinas.



Gosto de como Paulo traduz o Evangelho. Para ele, Cristo finalizou o processo (1. 22). E nós, vamos finalizando o nosso, dia após dia, com a ajuda mútua e verdadeira (1. 23). O IDEAL de Cristo inspira nossas ações, e as nossas ações, são para alcançar O IDEAL de Cristo.


Ney Gomes - Twitter@neygms.
                "Se trabalhamos e lutamos é porque temos colocado a nossa esperança no Deus vivo." 1 Timóteo 4.10



Postagens mais visitadas