SOBRE DISCERNIR E DISSECAR.

ENTRE DISSECAR E DISCERNIR AS COISAS DE DEUS.

“O ladrão vem apenas para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente”.

“Quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente. Mas quem é espiritual discerne todas as coisas, e ele mesmo por ninguém é discernido; {...} Nós, porém, temos a mente de Cristo”.
(João 10. 10/I Coríntios 2. 14- 16 – NVI).


Quando Paulo escreve aos Coríntios, suas primeiras palavras expressam preocupação com um assunto que ainda é bem atual nas igrejas (caps. 1 – 4). A carnalidade! Ele nos alerta através de sua carta como é prejudicial aos propósitos de Deus uma mente carnal (I Ts 4. 7). Dessa forma ele estabelece divinamente a diferença entre discernir e dissecar.
O homem carnal não entende as coisas de Deus e sua tentativa para isso prejudica em muito a igreja, pois sua forma de compreender é natural. Ele precisa intervir no que não entende para ter uma idéia de como a coisa funciona (Gamaliel demonstra discernimento em seu conselho ao sinédrio – At 5. 34- 40. Ele propõe deixar seguir seu curso a seita do caminho, como era chamado primitivamente o cristianismo. Ele sabia que nada pode parar um plano que é divino) Isso significa que ele só crê numa laranjeira, quando dela tirar uma laranja e experimentá-la. Uma pessoa assim precisa tornar o cristianismo em algo racional, pois de outra forma a igreja lhe parece loucura. Sua forma de compreender as coisas se resume em >>DISSECAR<< (afetar para entender, intervir, isolar, causar alteração por meio de uma extração). Esse indivíduo possuí seu conhecimento na esfera local da igreja, sua vida Cristã é pobre, limitada e fracionada (3. 4/Ef 3. 19). Sua categoria é a mesma dos ladrões; pois eles só amam os que lhe amam (Mt 5. 46). Sua mente não concebe uma razão clara para níveis de autoridade e intimidade com Deus (3. 8/Nm 16. 3/Jd 10- 13). No que ele toca provoca morte, dissensão ou contenda (3 Jo 1. 9- 11). Para Paulo essa categoria de crentes não tem parte com Cristo Jesus, nem com o Pai e nem com os santos que ainda militam na terra (1. 30).
Não estão distantes de nós tais pessoas! Elas vivem a arrumar problemas, ora com suas intermináveis dúvidas, com suas eternas críticas e com suas crenças pessoais, onde seus pensamentos lhe afirmam sempre que qualquer coisa que esteja sendo feita, por eles poderia ser melhor. O ciúme e a insatisfação com tudo e com todos evidenciam sem dúvida que essas pessoas estão ao nosso redor, ao alcance de nossos relacionamentos (dissecar é a única opção de quem não sabe discernir). A mente carnal não consegue fugir a tentação de mudar aquilo do qual faz parte, ela produz muitas opiniões sobre tudo o que simplesmente deveria obedecer (At 5. 32).

Mas, a verdadeira igreja de Cristo segue sem alterações seu caminho para a Glória Celeste. Ela passa por dentro de nós, que somos espirituais e discernimos bem todas as coisas. Isso acontece por que temos a mente de Cristo, ÀQUELE que aceitou em seu próprio corpo o sofrimento, a culpa dos pecadores (I Pe 2. 21- 24). >>DISCERNIR<< é entender sem afetar, ver algo claramente, avaliar bem, emitir um parecer com eqüidade. Amar é aceitar sem entender, sem mudar, sem racionalizar, é amar como Cristo nos ama (At 9. 26- 28). Logo, discernimos bem por que o amor gracioso de Cristo está em nós. Discernir nessa ótica é ver as coisas que Deus faz e as pessoas que Ele ama com olhos de amor, assim como Jesus, que abriu mão de si mesmo para nos dar todos os seus direitos (Rm 7. 2, 3). Em qualquer era e em qualquer cultura a igreja espiritual vai sempre viver e conceber vida, pois ela não precisa alterar nada para cumprir sua missão na sociedade. O amor não altera para entrar, ele altera por estar (I Cor 6. 10, 11/II Cor 5. 14, 15). Esses crentes são cheios da graça de Deus, dessa forma eles amam as pessoas mais difíceis, se compadecem dos mais atrasados (espiritualmente/evangelismo e socialmente/assistencialismo) e vivem bem em qualquer nível espiritual que lhes é imposto. O homem que têm discernimento espiritual responde aos anseios de Deus com a própria vida. Ele é santo, compromissado, ético (quanta falta isso faz!) e verdadeiro (nisso nem se fala!). Em sua natureza restaurada ele suporta perfeitamente não só seu sucesso como o sucesso da igreja e de seus próximos que estão mais próximos.
Dissecação expressa um conhecimento experimental e discernimento um conhecimento espiritual. Dissecar é exercer poder sobre a obra de Deus e discernir é estar debaixo do poder de Deus. Dissecar é mudar pelo poder e discernir é saber que se pode mudar. Dissecar é tentar e discernir é conseguir. Dissecar é tentar encontrar razões, discernir é simplesmente se submeter. Dissecar é tentar espiritualizar o lógico, discernir é viver o que não se entende.

Discernir é nutrir, dissecar é matar por parte, matar aos poucos, matar!

Ney Gomes – 04/09/2006.

Postagens mais visitadas