EVANG. EMOCIONAL - PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO!


Evangelho Emocional.

RESGATADOS NO ÍNTIMO!
Texto Base: Mateus 17. 1- 9

Texto para Meditação: "Fiel é a Palavra e digna de toda aceitação: Que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal".   (I Tm 1. 15 – VRA).

http://graosdeentendimento.blogspot.com.br/p/blog-page_29.html
 

Por que eu recebi dos irmãos o que também muito ensinei; que Pedro, Tiago e João formavam o círculo íntimo de Jesus. Eu acreditava que era assim, mas, depois de estudar os Evangelhos com o emocional, descobri que não é bem desse jeito. Passei um ano com um exemplar do Novo Testamento em minha bolsa de trabalho; lendo e relendo as passagens mais críticas e marcantes. E pude perceber uma interpretação fria e lógica de certos assuntos. Foi-me ensinado que Jesus sempre estava cercado de multidões, e que dessa multidão, quinhentas pessoas faziam força para lhe acompanhar com mais frequência. Desses quinhentos, setenta preenchiam condições de levar adiante uma mensagem mais franca e objetiva. Além dos setenta, doze foram escolhidos para um discipulado mais incrível. Mas, três eram chamados de 'íntimos do Mestre'. Pedro e os irmãos Tiago e João. E esses três, Jesus tomou para si, exercendo vigilância constante sobre eles. Andavam sempre com Ele não por uma amizade mais sincera, e sim, por que não estavam preparados por si mesmos para andarem com os outros nove. Jesus não os escolheu por eles serem mais maleáveis e sim, por que tinha visão do que o amor pode fazer nos homens. Além desses, um outro inspirava também maiores cuidados; André, irmão de Pedro. Todavia, parece-me que ele era um pouco mais calmo que os três. Pescadores costumam resolver as coisas na força do braço, e isso deixou o Mestre alerta. Se ao lado de Jesus, Tiago e João sugerem queimar uma vila samaritana, o que não fariam eles sozinhos por todo o Israel?
Naquele momento somente Jesus estava preparado para suportar as intempéries geradas desse relacionamento. Para mudá-los era necessário mergulhar até onde suas almas estavam presas e isso requeria uma condição atlética de fôlego. Doentes pelo câncer do pecado em um estado terminativo, Jesus os expôs a longas e demoradas seções de radiação. Sendo Seu amor e não o cobalto (N.º A. 27 da TP) a fonte de tal processo. Eu que já fui confrontado em amor, sei como é doloroso sofrer um processo tão intenso. Mas, era necessário fazer isso, caso contrário, eles jamais deixariam de ser pessoas comuns.
Certa vez Jesus compartilhou um maravilhoso segredo com os três discípulos e pediu discrição temporária (Mt 17. 1- 9). E, guardar esse segredo efervescente em seus corações produziria milhares de bolhas de confiança e estima. Jesus sempre ensinou que todos são passíveis de receber o amor de Deus. Meu Jesus nunca desistiu das pessoas por conta de suas personalidades. Para Ele, todos são passíveis de mudanças e pronto! Não existe um 'mas' em seu Evangelho (Mc 16. 7/At 9. 10- 17). Mesmo pessoas como Pedro, Tiago, João e eu, esse porcaria que sou. Antes da transfiguração, Jesus os levou há um outro lugar não tão alto, nem por isso menos especial. Eles foram testemunhas do poder de Jesus de sujeitar a si todas as coisas, nos céus e na terra. Junto com a 'cordeirinha' (talitha) ressuscitou também a verdadeira crença que a indiferença da religião mata sem piedade (Mc 5. 21- 43). Era necessário que assim acontecesse, pois eles iriam precisar de fé para estar no monte (Hb 11. 6). Mas, como sempre os milagres significavam a parte mais fácil do que se precisava fazer. Muitas coisas tinham de ser ditas e isso, não era tão agradável como os sinais e milagres (Mt 20. 22- 23).
Um grande amigo me lembrou novamente esses dias que às vezes, Deus levanta um pastor sobre nossas vidas que nos será como um amigo e que há vezes que ele será apenas pastor (I Pe 5. 1- 3). Jesus se levantou sobre a vida desses três homens para ser tudo; pai, pastor, amigo, conselheiro, irmão, companheiro, encorajador, mestre e defensor. Aí, cheguei à conclusão que é melhor ser como o Jesus que levanta os homens e não como os homens que Jesus levanta. Salvo é claro, os casos em que tais homens queiram ser imitadores de Jesus em tudo e não só no ser pastor. Não quero esse Jesus padeiro e seus seguidores, que só amam e se interessam pelas 'massas'. Quero cada vez mais o Jesus de Pedro, Tiago e João, que ama as almas, mesmo sendo elas difíceis e indóceis (Mt 26. 36- 46).
As pessoas fazem grandes coisas para Deus quando são encontradas em seu íntimo. Por isso, ame no modelo de Jesus e quando chegar à hora verá tudo o que o amor pode fazer de uma pessoa.

Ney Gomes. Novembro de 2009.
"Se trabalhamos e lutamos é porque temos colocado a nossa esperança no Deus vivo." 1 Timóteo 4.10

Compre o livro do autor desse texto:
http://www.editorareflexao.com.br/exito-sobre-os-desertos/p/668
 


Postagens mais visitadas